MOCs no formato digital

Olá pessoal,

Segue mais uma noticia interessante para aqueles que costumam participar de cursos oficiais Microsoft. Desde Novembro que todos os cursos oficiais foram transformados para o formato digital, sendo assim, agora não teremos mais que carregar aqueles grandes e desajeitados livros para cima e para baixo.
Todo o material agora é desenvolvido e fornecido por um novo Fornecedor Europeu, a Arvato, agora é responsável por todos os novos materiais e pela grande novidade que é a entrega do mesmo no formato eletrônico.
Desta forma, o aluno ao chegar no Centro de treinamento receberá um Voucher e irá acessar a ferramenta, conhecida como Skillpipe, onde terá acesso a todo o conteúdo do curso.
O legal da ferramenta é o seu formato dinâmico, que permite que o instrutor interaja com o aluno, passando suas anotações e dicas para o material de estudo de todos que pertencerem aquela sala de aula.
Anúncios

Microsoft anuncia capacitação gratuita para profissionais que atuam com Linux

Novo treinamento on-line da Academia Virtual da Microsoft oferece conteúdo totalmente em português

Estreia hoje, dia 28/11/2012, a nova trilha on-line da Microsoft Virtual Academy (MVA) com foco em Linux e Interoperabilidade. O curso gratuito tem oito horas de duração e traz no conteúdo programático os temas:
 
– Autenticação cruzada
– Virtualizando máquinas Linux no Hyper-V
– Subsystem Unix Application no Windows Server 2012
– Web e Interoperabilidade
 
A trilha do MVA de Interoperabilidade fica hospedada no endereço www.microsoftvirtualacademy.com. Para participar, os interessados precisam ter apenas um e-mail de uma conta de serviços Microsoft (@hotmail, @live ou @outlook) e fazer o cadastro no site. Não há limite de vagas e o curso pode ser feito no horário que for mais conveniente para o aluno. Ao final do curso, os participantes recebem um certificado de participação.
 
“Entendemos que este tipo de curso pode preparar o profissional de TI para extrair o potencial pleno de sua plataforma já existente e entender como implementar novos recursos disponíveis nas novas soluções Microsoft”, diz Djalma Andrade, gerente de estratégias de plataforma da Microsoft.
 
A Microsoft é a empresa de tecnologia mais atuante na disponibilização de recursos de capacitação e no desenvolvimento de tecnologias interoperáveis, provendo a melhor plataforma para os sistemas mais avançados, soluções de Cloud Computing e de infraestrutura. Ao oferecer este tipo de conteúdo, por meio da Academia Virtual Microsoft e de seus treinamentos online gratuitos nas principais tecnologias, a Microsoft contribui com as empresas, de qualquer tamanho, que precisam capacitar e atualizar seus profissionais nas novas tecnologias e aprender como integrá-las ao seu ambiente atual. Atualmente, mais de 100 mil pessoas estão inscritas nos cursos da Academia Virtual da Microsoft.
 
“Com pessoas e equipes mais preparadas, as empresas poderão atender de forma cada vez mais eficiente suas necessidades de negócio por meio de soluções com melhores práticas de implementação, permitindo assim elementos importantes para gerar inovação. Esse curso também é uma oportunidade de gerar impacto na vida profissional de jovens que querem aprimorar seus conhecimentos tecnológicos e estar mais bem capacitados para ingressar no mercado de TI”, complementa Andrade.
 
Para saber mais e fazer sua inscrição nos treinamentos da Academia Virtual da Microsoft, visite o site www.microsoftvirtualacademy.com.

Configurando o Forefront TMG para fazer Load Balance usando dois links de Internet

Olá pessoal,
Já sabia que existia algo do tipo mas nunca tinha testado antes, até que na semana passada surgiu uma grande necessidade para um cliente e acabei implementando um balanceamento de carga entre dois links de internet com o Forefront TMG 2010 SP2.
Posso dizer que funciona direitinho, ele reconhece os dois links de saída e faz tanto o failover quanto o NLB. Para esse cenário estou utilizando um TMG configurado como EDGE e tenho dois links de provedores diferentes. Já estou com as regras criadas normalmente e estou com uma terceira placa onde coloquei o segundo link de Internet.
Vamos então ao passos a passo para executar a configuração do mesmo:
Passo 1: Abra a console de gerenciamento do TMG e navegue até Networking, e no painel central selecione a guia ISP Redundancy. Em seguida clique no link Configure ISP Redundancy no Painel de Ações no lado direito da tela.

Passo 2: A tela Welcome to the ISP Redundancy Configuration Wizard irá iniciar e lhe ajudará na implementação, por tanto agora Clique em Next

Passo 3: Na tela Select ISP Redundancy Behavior, você precisará escolher entre duas opções:
Load Balancing: Onde o TMG irá utilizar os dois link para balancear a saída para a Internet. Neste caso ele também aturará como failover quando um dos links não estiver funcionando.
Failover: Onde teremos um link primário que será utilizado para enviar os dados e um segundo link que irá funcionar como backup do primeiro. Neste caso especifico eu selecionarei a opção Load Balancing.
Passo 3: Agora precisamos especificar o adaptador de rede que será utilizado pelo ISP. Neste caso informamos um nome para a conexão e em seguida selecionamos a mesma na lista (Recomendo que nas configurações de rede, vocês definam nomes para as placas, preferencialmente usando os nomes dos provedores aos quais elas estarão conectadas).
Passo 4: Na tela seguinte, precisaremos definir o gateway de saida e o DNS utilizado pelo provedor selecionado no passo anterior. É importante destacar que essas configurações no geral já devem ter sido definidas nas configurações das placas de rede e só serão confirmadas neste momento. Outra coisa importante, é que para o processo de Load balancing ou Failover funcionar corretamente, não poderemos usar o mesmo gateway ou DNS nas duas placas.

Após configurar as propriedades da conexão, o TMG irá criar um objeto computador com o nome da conexão criada nos passos anteriores, isso será util para criação de regras de bloqueio ou permissões específicas e será utilizado pelo servidor no processo de roteamento de saida.

Passo 5: Agora que você concluiu a configuração da conexão do primeiro ISP, você precisará repetir os mesmos passos para a segunda conexão. O Wizard irá lhe ajudar a executar todos esses procedimentos novamente. 
Passo 6: Agora você precisará definir o balanceamento de carga entre os links. Neste caso, basta que você arraste a barra de definição de carga para o link que quiser dar maior prioridade, caso deixe em 50%, o que é muito comum nas organizações, o TMG irá dividir por igual a carga durante a transmissão de dados para a Internet.


Passo 7: Após a definição do balanceamento de carga, clique em avançar e concluir para finalizar a configuração e pronto, seu Load Balancing está configurado.

Serão criadas as duas conexões na tela do TMG e você poderá acompanhar o funcionamento de ambas as conexões. Nas regras de firewall, não será necessário apontar as duas, basta continuar a configuração apontando para a rede Externa como já é feito normalmente. Sempre que ele tiver que enviar um pacote para a Internet, utilizará a regra criada aqui.

Ainda será possível alterar as configurações acessando as propriedades de cada uma das placas como mostram as figuras abaixo e se quiser, poderá gerar alertas para acompanhar a performance das placas….

Transformando um arquivo ".exe" em serviço no Windows

Olá pessoal,
Segue uma dica legal para os administradores de rede….
O comando sc create cria uma entrada para o serviço no Registro e no banco de dados do Gerenciador de controle de serviço.
Sintaxe
sc [Servername] create Servicename [Optionname=Optionvalue…
Parâmetros
Servername
Opcional. Especifica o nome do servidor quando quiser executar os comandos em um computador remoto. O nome deve iniciar com duas barras (\) (por exemplo, \\meu servidor). Para executar o SC no computador local, não forneça esse parâmetro.
Servicename
Especifica o nome fornecido à chave service no Registro. Observe que isso é diferente do nome de exibição, que é o visto com o comando net start e com a Ferramenta Serviços no Painel de controle). O Sc.exe usa o nome da chave do serviço como o identificador primário para o serviço.
Optionname
Os parâmetros Optionname e Optionvalue permitem a especificação dos nomes e dos valores dos parâmetros opcionais. Observe que não existe espaço entre Optionname e o sinal de igual. É possível fornecer um, mais de um ou nenhum par de nomes e de valores opcionais de parâmetro. O comando sc query suporta os seguintes valores:OptionnameOptionvalue
type=own, share, interact, kernel, filesys
Tipo de serviço que deseja criar. O Optionvalues inclui tipos usados pelos drivers.
(padrão = compartilhamento)
start=boot, system, auto, demand, disabled
Tipo de inicialização para o serviço. O Optionvalues inclui tipos usados pelos drivers.
(padrão = demanda)
error=normal, severe, critical, ignore
Gravidade do erro se o serviço não iniciar durante a inicialização.
(padrão = normal)
binPath=(seqüência)
Nome do caminho para o arquivo binário do serviço. Não existe um padrão para esse parâmetro. Essa seqüência deve ser fornecida.
group=(seqüência)
Nome do grupo do qual esse serviço é um membro. A lista de grupos é armazenada no Registro em ServiceGroupOrder.
(padrão = nada)
tag=(seqüência)
Se essa seqüência for definida como “yes”, o Sc.exe obterá um TagId da chamada CreateService. No entanto, ele não exibirá a tag.
(padrão = nada)
depend=(seqüência separada por espaço)
Nomes de serviços ou grupos que devem iniciar antes de iniciar esse serviço.
obj=(seqüência)
Nome da conta na qual o serviço é executado. Para os drivers, esse é o nome do objeto de driver do Windows.
(padrão = LocalSystem)
DisplayName=(seqüência)
Uma seqüência pode ser usada pelos programas de interface do usuário para identificar o serviço.
password=(seqüência)
Uma seqüência de senha. Isso é necessário se uma conta diferente de LocalSystem for usada.
Optionvalue
Especifica o valor para o parâmetro nomeado pelo Optionname. Consulte a referência do Optionname para obter uma lista de valores suportados. Quando uma seqüência é inserida, o uso de aspas vazias significa que uma seqüência vazia está sendo passada.
OBSERVAÇÃO: O comando sc create executa as operações da função de API CreateService.
O seguinte exemplo cria uma entrada do Registro para o serviço chamado “NewService” no computador chamado \\computador_remoto:
sc \\computador_remoto create newservice binpath= c:\nt\system32\newserv.exe
Por padrão, esse serviço é criado como um WIN32_SHARE_PROCESS com um tipo de inicialização SERVICE_DEMAND_START. Ele não possui nenhuma dependência e executa no contexto de segurança LocalSystem.
O seguinte exemplo cria o serviço no computador local como um serviço de inicialização automática que executa no seu próprio processo. Ele possui dependências no grupo TDI e no serviço NetBIOS. Observe que é necessário acrescentar aspas ao redor da lista de dependências separadas por espaço.
sc create newservice binpath= c:\nt\system32\newserv.exe type= own start= auto depend= “+tdi netbios”
Para obter detalhes adicionais sobre a ferramenta Sc.exe, consulte o documento Sc-dev.txt no Resource Kit. Esse documento descreve o Sc.exe detalhadamente.