Quais são as vantagens de migrar para a Nuvem?

Olá pessoal,

Hoje vamos falar um pouco sobre Cloud Computing e as grandes dúvidas que esta atrai. Ao iniciar um processo de avaliação de migração para a nuvem, uma empresa sempre irá se preocupar em fazer os calculos para validar se realmente irá ter vantagens com esse processo, se irá economizar algo de fato. Porém ao fazer esses cálculos, os técnicos geralmente acabam não analisando todas as questões envolvidos e consequentemente não conseguem demonstrar de uma forma adequada a viabilidade do processo.

A ideia neste post é demonstrar justamente demonstrar de uma forma lúdica, os custos envolvidos e que devem ser considerados na hora de avaliar se sua empresa terá vantagens nesta migração.

Ao fazer essa avaliação, a primeira dica importante é que olhar para os custos de software e hardware que sua empresa deixará de ter é apenas a ponta de um grande Iceberg. Migrar uma estrutura para a nuvem lhe trará uma série de benefícios que na grande maioria das empresas não está presente.

virtualizao-com-hyperv-18-638

Como você pode observar na imagem acima, transferir sua estrutura para a nuvem envolve uma série de benefícios que normalmente não conseguimos pelo mesmo custo em nossa rede local. Podemos citar como exemplo como Recuperação de desastre, manutenção com time técnico especializado, maior segurança das informações, gerenciamento baseado nas boas práticas do Mercado, etc.

Em outras palavras, esperar um valor menor ao migrar para a nuvem, não é uma grande verdade, mas garantir uma estrutura muito mais moderna e especializada por um custo acessível pela empresa é o ponto principal.

Vale destacar também que em muitos casos a redução irá ocorrer dentro de casa, redução de Espaço físico (locação), menos aquisição de hardware, redução no time técnico, etc.

Muitas ferramentas de nuvem permitem que você faça uma simulação de custo e isso irá lhe ajudar na criação da estimative que será apresentada para sua diretoria. Por exemplo, o Windows Azure, possui uma calculadora que você pode usar para consultar esses valores, ela pode ser acessada a partir do seu próprio Web Site.

Anúncios

Portas POP, SMTP e IMAP do Office 365

O365

É comum para usuários que trabalham com o serviço de e-mail do Office 365, ter que configurar um servidor SMTP, POP ou até mesmo IMAP em um cliente ou serviço de disparo de e-mails.

Normalmente é ai que surgem as dúvidas! Qual é a URL que devo informar? Qual porta de serviço ele utiliza?

Pois bem, para ajudá-los neste sentido, seguem abaixo as portas utilizadas para essa tarefa:

Configuração do IMAP
Endereço do Servidor: outlook.office365.com
Porta: 993
Método de Criptografia: SSL

Configuração do POP
Endereço do Servidor: outlook.office365.com
Porta: 995
Método de Criptografia: SSL

Configuração do SMTP
Endereço do Servidor: smtp.office365.com
Porta: 587
Método de Criptografia: SSL

Vale lembrar que o Office 365 trabalha com conexão do tipo Active Sync, sendo assim, você precisa utilizar o cliente de e-mail que suporte este tipo de conexão. Segundo a Microsoft, você deve usar o Outlook a partir do 2007 ou ainda Outlook for MAC 2011, Windows 8 Mail, Mail do iPhone, Android, etc.

 

Atualizando seu Windows para Windows 10

win10-new

Olá pessoal, estamos em um momento muito importante do cenário de TI, onde de forma revolucionária, a Microsoft disponibilizou seu novo Sistema Operacional, o Windows 10.

Dentre as diversas novidades que já comentamos aqui mesmo no blog, um dos grandes destaques sem dúvida é a possibilidade de fazer o upgrade de versões anteriores de forma gratuita.

Nas versões anteriores do Windows, só era possível fazer o upgrade da ultima versão do Sistema Operacional para o atual, porém nesta versão atual, a Microsoft inovou e permite que possamos fazer o upgrade das três ultimas versões para o novo S.O. e ai começam a surgir algumas dúvidas sobre o tema, uma das principais é justamente o fato de identificar quais versões suportaram esse upgrade e para qual versão poderemos seguir. Pensando nisso, irei neste Post de forma simples tentar resumir justamente essa questão de versões suportadas e para quais versões poderemos seguir.

Em resumo, você poderá atualizar seu Windows 7, 8 e 8.1 para o Windows 10 sem grandes problemas, caso seu computador esteja com um desses sistemas instalados e você queira iniciar agora a atualização, basta clicar aqui para iniciar o processo.

Agora se o seu Windows for um Windows Enterprise, neste caso o processo anterior não irá funcionar e você precisará consultar o Centro de Serviços de Licenciamento por Volume.

Com relação a compatibilidade de versões, a tabela abaixo irá lhe ajudar a desmistificar essa tarefa.

Versoes-W10

Quando você executa a atualização de um Sistema Operacional, todos os documentos, configurações e softwares são mantidos, mas vela lembrar que pode haver incompatibilidade entre o novo sistema operacional e aplicações que existiam instaladas no S.O. anterior, por tanto, vale testar isso antes de iniciar a atualização em massa.

Outra questão importante, se você decidir fazer uma instalação limpa do Windows 10, precisará inserir uma chave do produto qualificada, do Windows 7, Windows 8.1 ou Windows 10 daqueles citados na tabela acima ou então poderá ainda comprar uma licença para ativar o Windows 10.

Em um próximo Post, irei apresentar uma maneira de gerar uma mídia USB ou um DVD para atualização de um Windows para o Windows 10, até lá!

 

Venha para o Mundo de Cloud Computing….

Os menores custos, a flexibilidade para expandir a infraestrutura de TI, melhorias na segurança do armazenamento de dados e a facilidade de poder acessar as aplicações corporativas remotamente têm impulsionado até as empresas mais conservadoras a migrar suas aplicações para a nuvem.
A expansão desta tecnologia atinge diretamente as empresas brasileiras. No nosso continente, 39% das companhias possuem aplicativos hospedados na nuvem, ao passo que nos Estados Unidos esse número é de 19%, e na Europa, 12% das empresas, de acordo com a análise da Tata Consultancy.
Segundo pesquisa realizada pela empresa IDC, nos dias de hoje, cerca de 30% dos servidores no Brasil são virtuais e até 2015, esse número ultrapassará 70%.
Estamos entrando na era da computação virtualizada e do mercado Cloud, por tanto conhecer sobre o assunto, estudar sobre o mesmo e se certificar é algo de suma importância para os técnicos de hoje.
Para muitos gerentes de TI, escolher o momento certo de migrar os seus ambientes, escolher como efetuar essa migração, qual tecnologia utilizar e como utilizar ainda é um fator de extrema preocupação e de grande dificuldade para a tomada de decisões estratégicas dentro do negócio. O que podemos dizer é que existem diversos sites tratando sobre o assunto e mostrando principalmente que Cloud não veio para gerar desempregos e sim para criar novas áreas e novas oportunidades.
De acordo com a Information Systems Audit and Control Association (ISACA), entidade internacional da área de segurança, embora a computação em nuvem possibilite valor para as organizações, a maioria ignora os impactos da transferência de tomadas de decisão de gestores de TI para os executivos de negócios.
Na visão de Ramss Gallego, membro do comitê de práticas da Isaca, cloud computing representa uma oportunidade única para as empresas, particularmente para as pequenas e médias.
Por outro lado, para a associação, esquecer a fiscalização e o controle das decisões sobre cloud pode gerar “riscos significativos” para as companhias, eliminando os benefícios da mudança para a nuvem e, ao mesmo tempo, criando “graves problemas”.
“Somente por meio do controle e do gerenciamento da nuvem é possível obter todo o potencial do modelo”, analisa a Isaca. Para ajudar as empresas a gerenciar possíveis “pontos de pressão” que começam a aparecer quando as estratégias de computação em nuvem divergem dos serviços de TI prestados internamente ou do regime de outsourcing, a entidade publicou o relatório “Guiding Principles for Cloud Computing Adoption and Use”, que contém os seguintes princípios fundamentais:
1. Habilitação
É necessário planejar a computação em nuvem como uma estratégia que vai muito além de um simples acordo de terceirização ou de uma plataforma técnica. É adequado ainda considerar os negócios e as necessidades operacionais e periodicamente revisar a estratégia empresarial e a contribuição da TI para garantir que as iniciativas de cloud ampliaram a e vão cotinuar a ampliar o valor da utilização de recursos.
2. Custo/benefício
É preciso avaliar os benefícios da adoção do modelo a partir de uma compreensão total do custo em comparação com outras plataformas tecnológicas. As empresas devem, por exemplo, documentar, de forma clara, as vantagens esperadas de rápido provisionamento de recursos, escalabilidade e capacidade de continuidade e ainda o custo do ciclo de vida dos serviços de TI prestados internamente ou por meio de um provedor.
3. Risco
Convém adotar uma perspectiva de gerenciamento de risco para a empresa monitorar a adoção e o uso da computação em nuvem. Para entender esse princípio, a Isaca recomenda que as organizações considerem as implicações de privacidade no ambiente virtualizado e avaliem ainda as exigências e restrições legais de privacidade, considerando as necessidades do cliente.
4. Capacidade
É necessário integrar todas as capacidades que os prestadores de serviços oferecem aos recursos internos para fornecer uma solução de entrega e suporte técnico abrangente. Para isso, a Isaca aponta que é adequado, por exemplo, determinar como as políticas, práticas e processos atualmente suportam o uso de tecnologia.
Além disso, como a transição para uma nuvem exigirá políticas, práticas e mudanças de processos, e o impacto que elas terão sobre as capacidades.
5. Responsabilidade
Definir claramente as responsabilidades internas e dos provedores do serviço. Para isso, entenda como são atribuídas as responsabilidades e executadas na estrutura organizacional e de que forma políticas e práticas são tratadas no âmbito soluções de cloud computing.
6. Confiança
Segundo a Isaca, é vital fazer da confiança parte essencial das soluções em nuvem, gerando segurança em todos os processos de negócios que dependem de cloud. Assegure que os prestadores de serviços de software compreendam a importância da confiança.
A Green Treinamento olhando para este mundo de tecnologia na Nuvem, acaba de lançar um pacote para formação de administradores de Private Cloud, formando profissionais para esse novo mundo que vem crescendo cada vez mais. Quer conhecer um pouco sobre esse novo pacote de cursos oficiais, acesse o link http://alturl.com/dperu  

Como se preparar para a prova 70-291

Pessoal, algumas pessoas pediram então estou postando algumas dicas para quem está se preparando para a prova 70-291 (Implementando, Gerenciando e Mantendo uma infraestrutura com Windows Server 2003)

Então anotem ai: Muito DNS (Tranferência de Zonas AXFR e IXFR, Replicação, Integração com o AD e o que monitorar do DNS – Foca bastante no Módulo 6 do 2186)

Caem também perguntas referente as diretivas padrão do IPSEC, qual só responde, qual obriga criptografia (Cliente, Servidor e Servidor Seguro, estuda aquela tabelinha que tem no módulo 8 do 2186)

Manutenção do DHCP é outro tópico muito comum de cair, backup principalmente, lembre-se que DHCP não faz parte do System State ok

Na parte de roteamento e filtros de pacote é muito comum ter simulações, onde vc tem que configurar rotas e filtros pelo RRAS, normalmente tudo gráfico, dificilmente vai usar o route add.

Ainda em simulação, nesta prova costuma ter uma que é padrão, onde vc vai ter que criar registros MX para um servidor Exchange, normalmente vc tem que criar 3 registros e priorizar, lembre-se que no MX a prioridade é do menor valor para o maior.

Estude também configuração de acesso remoto (VPN, diferenças entre PPTP e L2TP, diferenças entre os protocolos de autenticação, principalmente CHAP, MSCHAP E MSCHAP v2, mas não deixe de olhar os outros também)

Dá uma estudadinha de leve no RADIUS, não é um assunto comum, mas as vezes cai alguma coisa

Também costumam cair perguntas sobre sobre subrede e superede, tem uma que é muito comum, onde vc tem duas redes classe C e vai ter que transformá-las em uma só mudando a mascara, dá uma olhada no módulo 2 do 2180 que ele fala sobre isso.

Raramente caem perguntas sobre WINS e aqueles arquivos de Hosts e LMHosts

Agora costuma cair nessa prova também perguntas sobre WSUS, fique atento… Como sincronizar, como agendar a sincronização, como aprovar atualização para os usuários, etc…

Esta prova pode ser feita em Inglês ou Português, tem a duração aproximada de 2 horas e 10 minutos e em média 47 questões.

É possível conseguir o Kit de Treinamento através da própria Microsoft Press no link abaixo

http://www.microsoft.com/learning/en/us/book.aspx?ID=5433&locale=en-us

Bem espero que tenha conseguido ajudar.

Boa prova!!

Como se prepara para as certificações Microsoft?

Segue uma dica legal para os futuros técnicos certificados Microsoft, o site do technet oferece uma série de recursos para complementar os estudos daqueles que buscam certificações Microsoft. Uma dica é o Media Center, onde podemos encontrar uma série de video aulas e webcasts sobre vários produtos atuais. É possível assistir e até mesmo baixar muitos dos vídeos lá encontrados.
O Media Center pode ser acessado a partir do link abaixo:

http://www.technetbrasil.com.br/microsoft.mediacenter

Outra pedida é o profissional 5 estrelas, onde é possível assistir a mini cursos e fazer provas sobre diversos conteúdos, para cada nível atingido o candidato ganha uma estrela. Além de se tornar um profissional 5 estrelas você já se preparar para as provas de certificação daquele produto específico. Mas não ache que é tão simples assim, para ganhar a quinta estrela é necessário ser aprovado na prova oficial daquele assunto que você escolher. Acesse a comunidade cinco estrelas e comece hoje sua preparação rumo as certificações: http://technet.microsoft.com/pt-br/events/tn.cincoestrelas.aspx