Semana IPv6

Olá a todos,

Já é de conhecimento geral que o IPv6 deve ser implantado na Internet de forma bastante urgente, a fim de garantir sua expansão e evolução.

O esgotamento dos endereços IPv4 já é uma realidade em algumas partes do mundo e, aqui, está bastante próximo.

Em fevereiro de 2012, de 06 a 12, haverá um teste coordenado do funcionamento do IPv6 na Internet, do qual participarão diversos provedores de acesso e conteúdo de toda a região da América Latina e Caribe, além de outros tipos de organizações. Dentre os que aderiram à iniciativa no Brasil, podemos citar: Terra, UOL, Globo.com, iG, USP, Tecla, KingHost, SCW, Bon Line, entre outros. Chamamos a esse teste de Semana IPv6.

Ainda há tempo de participar:

– ative o IPv6 em seu site Internet durante a Semana IPv6;

– forneça IPv6 para seus clientes e usuários;

– como usuário, navegue nos sites usando IPv6;

– divulgue a iniciativa.

Saiba mais em:

http://ipv6.br/semana

Anúncios

World IPv6 Day

Olá a todos,

Hoje dia 8 de Junho de 2011 é um dia muito importante para a comunidade de TI, diversos sites em todo o mundo está promovendo um evento chamado de Dia Mundial do IPv6. Vários portais de diversas partes do mundo estão utilizando esta data para efetuarem testes com IPv6 em seus ambientes.

O objetivo é incentivar empresas, provedores da internet, fabricantes de hardware e desenvolvedores de Sistemas Operacionais a prepararem suas aplicações para migrar suas estruturas para o IPv6.

Como já discutimos em outros post aqui mesmo no blog, o IPv4 está se esgotando devido ao crescimento da Internet e isso faria com que a mesma tivesse problemas de continuidade se não houver essa mudança. IPv4 e IPv6, ambos são protocolos utilizados para endereçamento de redes, porém são incompatíveis, desta forma existe uma mobilização mundial para a migração do atual Protocolo para o novo e cada vez mais conhecido IPv6.

A principio, os usuários finais (residenciais), não terão grandes problemas com toda essa mudança pois os sistemas atuais já estão na sua maioria adaptados para o novo protocolo, de qualquer forma existem vários recursos disponíveis na Internet para efetuarmos testes de compatibilidade e muitos provedores já disponibilizam uma versão de seus sites em IPv6. O UOL por exemplo disponibiliza em caráter temporário o www.uolv6.com.br, você conseguirá acessar esse site normalmente se sua estrutura já estiver habilitada para navegar com IPv6.

Neste momento, como estamos em caráter migratório, será muito comum os provedores trabalharem utilizando as duas estruturas (padrão conhecido como Dual Stack), mas num futuro, o IPv4 será aposentado e toda a rede mundial irá trabalhar apenas com IPv6.

Abaixo seguem dois links que podemos utilizar para analisar se nossos sites de acesso diário já estão configurados para o novo ambiente:

validador.ipv6.br

www.ipv6-test.com

Suas redes estão Prontas para o IPv6?

Da mesma forma que as cidades já enfrentaram a situação de não ter mais números de telefone disponíveis, a internet está ficando sem endereços IP. O problema parece familiar, mas o impacto da soluções dos IPs causa impactos muito maiores nas empresas.

Muita gente sabe que os endereços IP de 32 bits estão se esgotando. O que poucos sabem é que 98% dos endereços ainda disponíveis já estão alocados. A previsão é que os IPs não-alocados se esgotarão totalmente em cinco semanas. Isso não significa um colapso da internet, mas vai dificultar a vida daqueles que precisam registrar um endereço.

A solução, a adoção do IPv6, causa alguns problemas. O maior deles é que todos os equipamentos precisam ser compatíveis com o novo protocolo, incluindo roteadores. O quadro exige atualizações de firmware em cascata e outros gargalos que atrapalham as organizações.

Enquanto o mundo faz a transição do IPv4 para IPv6, processo que deve levar alguns anos, os sites da internet precisam responder nos dois protocolos. Essa é a fonte dos problemas: se a rede da empresa suporta ambos os protocolos, mas o acesso a IPv6 não estiver funcionando corretamente, o sistema pode ficar muito tempo tentando acessar o segmento IPv6 do site.

A Sociedade Internacional de Internet (ISOC) está tentando endereçar o problema. A entidade anunciou o dia mundial do IPv6, no dia 8 de junho, quando todos os principais serviços da internet, incluindo Google, Youtube, Facebook e Yahoo, vão iniciar o segmento IPv6, assim como algumas das principais organizações de entrega de rede.

Há quem se mostre otimista com o cenário. De acordo com o PhD em redes e engenheiro do Google, Lorenzo Colitti, as medidas que estão sendo tomadas devem afetar poucos usuários, algo em torno de 0,05%. Problemas de conectividade devem acontecer em razão de equipamentos caseiros mal configurados.

Apesar disso, deixar de migrar para IPv6, pensando nos usuários que não conseguirão acessar, pode ser um tiro no pé. De acordo com Donn Lee, engenheiro do Facebook, quem mantiver protocolo antigo pode perder mais usuários do que aqueles que optarem pela migração total.

Na transição, algumas redes vão cair, inclusive as de algumas empresas com alta reputação. Se a empresa tiver problemas para acessar o Google no dia 8 de junho, será necessário fazer intervenções e focar a equipe de rede nas soluções para resolver problemas e aprender com os mesmos.

A realização de testes pode ser realizada por meio do site Test-ipv6. Se a rede corporativa não estiver plenamente configurada, não é necessário entrar em desespero, a transição será lenta. Mas, por enquanto, já dá para saber se a conexão falhará para um site que tem segmentos tanto em IPv4 quanto em IPv6. O próprio site de testes tem soluções publicadas caso haja problemas. O endereço é http://test-ipv6.com.

Fonte: http://computerworld.uol.com.br/gestao/2011/01/13/suas-redes-estao-prontas-para-o-ipv6/

Endereçamento IPv6

O IPv6 é a versão sucessora do já conhecido IPv4 utilizado nas redes de computadores do mundo todo, um dos principais objetivos da sua criação é o esgotamento do endereçamento v4. A principal diferença entre o IPv4 e o IPv6 está no tamanho do endereço, onde o IPv4 é composto por uma base de 32 bits (192.168.10.10) enquanto o IPv6 é composto por uma base 128 bits (2001:0db8:bebe:café:0100:9230:bbff:7f4d) o que possibilita um numero de combinações possíveis de aproximadamente 56 octilhões de endereços IP por ser humano, um numero milhares e milhares de vezes maior do que a capacidade total do IPv4 que hoje juntando todas as suas redes consegue endereçar no máximo 4.294.967.296 IPs.

A estrutura padrão do IPv6 é sempre apresentada em Hexadecimal e segue a seguinte regra:

Os primeiros 64 bits identificam a rede e os últimos 64 bits identificam o Host, conforme a imagem abaixo:

Basicamente os endereços estão divididos nos seguintes tipos: Unicast, Multicast e Anycast

Unicast – Identifica um único Host e está dividido em Link local, Unique Local e Global

Link Local – Equivalente ao endereçamento 169.254.x.y do IPv4 é gerado automaticamente para cada host (Stateless), podendo ser usado apenas no enlace específico onde a interface está conectada, utiliza sempre o prefixo FE80::/64

Unique Local – Endereço com grande probabilidade de ser globalmente único, apenas para comunicações locais, geralmente dentro de um mesmo enlace, utiliza o prefixo FC00::/7

Global Unicast – Equivalente aos endereços públicos IPv4, este endereço é globalmente roteável e acessível na Internet IPv6. Ele é constituído por três partes: o prefiso de roteamento global (Primeiros 48 bits), a identificação da sub-rede (últimos 16 bits de id. de rede) e a identificação de host (últimos 64 bits do IP) que deve identificar de forma única uma interface dentro de um enlace. Os IPs Globais Unicast, serão distribuídos para uso de forma hierárquica, sendo que os utilizados na América do Sul por exemplo, utilizarão o prefixo 2001 ou 2800.

Multicast – São endereços utilizados para identificar grupos de interfaces, sendo que cada interface pode pertencer a mais de um grupo, basicamente igual ao processo utilizado pelo IPv4, sempre usará o prefixo FF (FF00::/8 por exemplo).

Anycast – Este é utilizado para identificar um grupo de interfaces, porém, com a propriedade de que um pacote enviado a um endereço anycast é encaminhado apenas a interface do grupo mais próxima da origem do pacote. Esses pacotes são atribuídos a partir da faixa de endereços unicast e não há diferenças sintáticas entre eles.

O IANA disponibiliza uma tabela com os prefixos IPv6 e suas respectivas utilizações através do link http://www.iana.org/assignments/ipv6-address-space/ipv6-address-space.xml